Category Archives: Cornetada Vitoriana

Cornetagem sobre o Mengão e futebóis em geral.

cornetada vitoriana 205: Empate com sabor de empate!

donA reles parte da sociedade que se mete a escrever pros outros lerem, eu entre eles, que o faço pra meus quatro queridíssimos leitores, eu também no meio, sabe que falar sobre o que não se quer em um dia que se quer ainda menos, como hoje, é osso. Mas é um de meus valores fazer aquilo que me prontifiquei a fazer. Portanto, mando a letra, ainda que curta, e sob o efeito do sentimento pouco nobre da raiva por não ter atropelado os bolhas do FluminenC na tarde de hoje.

Bom, já falei do resultado – não vitória – e do quando – hoje à tarde. Vamos pro como… Sofrível é a palavra mais publicável. Professor Zé Ricardiola, catedrático como poucos, gênio incompreendido, que paga os percalços das poucas idade e casca, inventou o termo “posse de bola estéril”. Então, o Flamengo de hoje fez assim: toca a bola, a mantém, mas entrega e tem que correr atrás. Já falei aqui que o futebol flamengo da atualidade é isso: bolas entram, não entram, tomamos gols, não tomamos, e o jogo termina em vitória nossa, empate ou derrota. Parece óbvio, mas é isso. E nem vou tentar explicar, porque só iria repetir as mesmas palavras. Mas vou dar pistas: faltam domínio de jogo, sorte (que acompanha, sim, os vencedores), competência, atenção. E bolas que não entram, entram; jogadas incríveis dão em nada; jogadas bizarras do adversário viram gols.

Começamos a rodada como a segunda melhor defesa do campeonato. Nem me dei ao trabalho de saber como terminamos, mas não deve estar muito pior. Agora, tomar 2 gois do sub-20 do time da Terceira Divisão é foda. Inventamos os triunfos dos caras. Donde se conclui que nossas defesas, as brasileiras, são sete-a-um-nianas. Rá!

Outra coisa, negócio de com Massaraújo, sem Massaraújo. Tomamos um traulitada em lance em que sua ausência foi sentida. Mas… Ah, não tem defesa… Rá, rá!

Por fim, os entendidos entre aspas massacram nosso ataque. Com razão, a depender do jogo de hoje. E fazem o mesmo com nosso DT. Mas, na boa, Zé Ricardo não entra em campo pra criar mil chances de gol e fazer só 2. Criando, é bom que se diga.

Se a Chape perdeu de 2 em casa hoje, imagina o que não faremos com eles na simpática Ilha do Urubu na quinta! 1 a 0 pra gente, garantido! Ahah!

Fluminense 2X2 Flamengo, Brasileirão 2017, Round 8. 10ª colocação.

Flamengo até morrer!

Anúncios

Cornetada Vitoriana 202: Quarta!

indexQuarta derrota no ano, é bom que se diga, a primeira jogando pior que o adversário. Realmente, não temos dado nenhum show, mas temo que a fase não seja mesmo alvissareira. É bem verdade que o tal Ishpó Recife é ruim de doer, ruim com gosto de gás, mas é o jogo da vida dos pobres o confronto contra o Flamengo, jogo que eles querem fazer desde 1987. Os infelizes jogam contra a gente por comida. E, quando fazem, crescem que é uma beleza. Ah, só pra lembrar, foi a 3ª derrota em Brasileiros desde a primeira do returno de 2016. Contra eles mesmo inclusive. Não sei, não parece péssimo.

Bom, o fato é que manter a bola por 80% do tempo e errar feio as 5 vezes que chega por jogo não dá. Outra: por que jogar sempre igual? Digo, não basta ser o predador master do ludopécio pindorâmico, tem que ficar lembrando isso a toda hora? Esses times menores sabem o que é Flamengo e de nosso DNA superior. Mas podemos mostrar isso esperando os bichos, jogando na boa. Ah, saco!

Bem, já falei isso (não aqui!), mas repito: esse time joga por uma circunstância. Se conseguir o gol e não tomar, ganhamos. Se tomamos, geralmente é em função de nossos próprios erros, como hoje. Jogar bola, mesmo, tem tempo…

Sport 2X0 Flamengo, Brasileirão 2017, Round 5.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana 201: De volta!

20150107181351-estamos-de-voltaSem muito alarde, vamos retomar aos poucos os trabalhos do blog e da Cornetada Vitoriana, após quais 3 anos de ostracismo. E nada melhor que uma baranga de fé como o Chorafogo pra inspirar este escrevedor. Olha, tudo bem que se trata desses buxas, mas não é que os caras não são tão ruins como a tradição exige? Parabéns, mandaram muito bem na arte de estacionar ônibus à frente da zaga. E este ônibus está no plural. Devia ser uns 5! Que retraca do inferno, rapaiz! Fogão jogou como Foguinho, numa defensiva de dar dó.

Mas isso aqui não é espaço para falar de times menores. Vamos ao que interessa, essas 8 letras que nos dão tanto gosto, a força do universo que move 40 milhões de pessoas mundo afora e causa medinho na rafameia mal-vestida e ingrata: FLAMENGO! Lamentável o primeiro tempo, hein? Será que não dá, é proibido a mulambada jogar 90 minutos de jogo em bom nível? Reeditando um comentário aqui feito no século passado, apesar do humilde bloguinho ter iniciado seus trabalhos neste, se futebol fosse jogado na metade do tempo, seríamos uma espécie de PSG Realcelonatus de Munich Júniors. Como consegue compactar atuações ótimas, como a que passou a acontecer com a entrada do homão da porra toda Diego Ribas, com a do primeiro tempo, pífio, sem comentários e pífio de novo? Ah, qual é?

Bom, duas letras sobre o professor: não sei o que dizer sobre o bicho ainda. Me parece sério, bom no que faz, mas… Como disse, não sei. Pessoalmente, no entanto, gosto, o que já é bom. A ver…

E o menino dos 45 milhões de picanhas, Vinícius Jr.? Nus! Realmente, o carinha é diferente, mesmo. Mas o melhor de tudo é ver um sujeito, na glória dos seus sweet sixteen, jogar no meio da presepada arcoirista dando show! E quase marcando gol de gente grande! Nota 9,9 pro mulambinho porque estragou a tinta da trave com aquela manobra!

Bão, vou terminar minha latinha incrível de cerveja holandesa aqui finalizando com um pitaco sobre os menos queridos. Arão, se liga, velho! Vai sair do time assim. Devia sair ao menos. O Vaz, tomara, já dançou, o que nos fez passar menos raiva no certame de hoje. Massaraújo, mito, realmente, é dureza também. Gosto do cara, mas não pode ser titular incontestável, nem errar passes de 2 palmos. Junte-se um pouco de Damião, e vamos empatar com time pequeno pra sempre!

Flamengo 0X0 Botafogo, Brasileirão 2017, Round 4.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 200: Impedido sim, o freguês sempre tem razão

Impedido?

Impedido?

Geral sabe que esse espaço não foi feito pra falar sério. E que não serve pra falar de mais nada que não seja do Flamengo. Sabe também que não se quer impressionar ninguém, ou para encobrir falhas no elenco ou da cartolagem flamenga. Mas, convenhamos, esse título foi mais que merecido.

O Mengão não jogou as finais pra ser campeão. Mas foi. Porque jogou o campeonato. Perdeu um jogo, mesmo sabendo que não valia nada, e pra um time série C. E quando podia. E cheio de erro de arbitragem que nego não lembra, porque não ficamos de chororô quando acontece com a gente. É, porque acontece, mas nem por isso vamos querer explodir a cara de alguém, dar faniquito ou rasgar as pregas com as unhas. Nosso jogador estava impedido mesmo e o freguês sempre tem razão. Ou talvez não: o zagueiro Rodrigo estava lá atrás do gol dando condições, já que teve que sair pra ser atendido por causa de uma suposta contusão. Pra ganhar tempo. Pra tomar o gol de empate.

Engole isso, gente fina. Não somos os melhores. Não somos nem bons, pra falar a verdade. Mas somos o Flamengo, que não iria a lugar nenhum na Libertadores, e devemos não ir também no Brasileiro. Mas contra Vasco, Fluminense, Botafogo, Cabofriense e sei-quem-lázinhense reinamos sozinhos.

Aos Vices, meus parabéns pela conquista e por abrilhantarem nosso triunfo. Mas entendam que gritinhos de olé faltando 10 minutos pro fim de um jogo que poderia ter outro final e jogadores reservas festejando no banco não ajudam em nada. Ou melhor, ajudam sim: o Flamengo a ser campeão em cima de vocês.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 199: Sobre Flas e Flores

No jogo da elegância contra a vergonha, deu a vergonha!

No jogo da elegância contra a vergonha, deu a vergonha!

Ih, rapá, não é que tomamos uma traulitada sinistra do Flor ontem? Geral sabe que já não sou muito chegado a posts pós jogo. Em derrota, então, pelamodeDeus! Mas é como comentei com minha linda namorada, minha companheira de dissabor na noite do sabadão: nem me importo muito quando o Mengão sofre um revés, coisas que acontecem bissextamente, ainda mais quando os adversários são a rafameia de Laranjópolis, desde que jogue com fé. Entenda-se fé como a sagrada mescla do mantra Raça, Amor e Paixão. Bem fez ela em manter-se atualizada durante o jogo nas redes sociais. Jogamos mal bagarai, e não tem justificativa que encubra isso, nem recibo a passar.

Mas o deus Baco deu o ar de sua graça por essas paragens, bateu o espírito de Luís de Camões nessa pobre alma perdida, literal e metaforicamente, e os dedinhos se puseram frenéticos na teclação dessa carroça tecnológica que até que manda bem. A maçãzinha é foda! Além disso, poucas vezes tive tanta coisa pra dizer sobre uma partida de futebol, já que os pessoal tricolor é pródigo em nos encher de inspiração e assunto para comentar.

Bem, sendo bastante breve na cornetagem do jogo, duas palavras pra resumir nossa apresentação diante dos bilhardários que foram ao Maraca, nossa casa, ontem: lixo. Nem tanto em relação ao segundo tempo, que foi até bacana. Mas nenhum jogo, e quero, juro que quero, queimar minhas digitais no mármore carrara do inferno, que nenhuma partida do ludopécio mundial pode ser boa com o meu amigo Erazo Carlos escalado. Meu Pai, não lembro nem do Piá, do Jr. Baiano ou do Gustavo Geladeira errarem tanto em um só jogo! O cara foi o melhor jogador do Fluminense com a camisa do Flamengo em campo ontem. E olha que já vi nego fazer besteira na nossa zaga!

Como disse, poucas vezes tive um arsenal tão grande de itens a comentar quanto ontem. Outro deles, e, talvez, o mais digno de nota, é a felicidade que contagia os gatos pingados florminenses quando, vez ou outra, triunfam sobre a gente. Parece que os nego ganharam um campeonato mundial, o que eu imaginava que fosse privilégio dos viceínos. Deve ser pela dificuldade de realização de clássicos interdivisionais, né? Ou porque os caras temem, cheios de razão, que esse pode ter sido o único Fla X Flor de 2014. Sei lá, vai saber. Acho que ser vítima de bullying motiva mesmo a cambada esquisitona. O fato é que temo por minha liberdade, uma vez venho cometendo essa infração reiteradas vezes nas últimas semanas. E, ao que parece, isso é delito agora… Deus castiga e os meganhas prendem!

No entretanto, nada esconde a vergonha de sair na rua hoje, depois de uma tunda como a sofrida ontem. Vai lá, perder faz parte da parada, em que pese não sabermos o que é isso há mais de dois meses. Mas, pra um time da Segundona, com gol de um cara que pesa mais de meio quilo por centímetro de altura (acredite, isso é obesidade mórbida para um atleta, a menos que ele seja lutador peso pesado!) e que rolou pra cima da gente, e às vésperas da estreia na Liberta, é muito vexa pra pouco índio! Deus é mais!

Por ora, é isso. Achei que tinha muito o que falar, mas parece que superestimei os parcos poderes do FluminenC e sua torcida maluca sobre o Mais Querido do Mundo e a Magnética fodona. Mas continua comovente a alegria dos caras com essa vitória. Manifestações ainda estão chegando nas mídias, mesmo dado o adiantado, e garanto que é adiantado, sim, da hora.

Nunca pensei em falar de um jogo em que o Gum não errasse nada. Queima, língua!

Os caras ganharam em campo. Legal isso. Legal, apesar de não combinar muito com o clube-personagem em pauta. Menos para o departamento jurídico de Laranjalândia, que vai ficar sem pagamento esses dias por falta de tapetão pra entrar.

Chega o tempo em que superioridade se resume a reconhecer a derrota para os menores históricos e mais fracos contumazes. A supremacia Rubro-Negra é feita disso.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 198: Só os grandes ganharam no Carioqueta

Welinton é o artilheiro do ano no Flamengo.

Welinton é o artilheiro do ano no Flamengo.

Bem, vamos começar essa parada aqui falando do óbvio: só time grande tem vez. O imbróglio envolvendo a Bigoduda é prova disso. Não que o maior beneficiário com essa palhaçada seja muito maior. Mas… Ah, deixa pra lá. Literalmente!

Ontem, com o time reserva do time reserva, metemos mais um clássico 1 a 0. Dessa vez no Audax Rio, time fraco e de camisa feiona, como de resto os demais times pequenos do estado da Guanabara. Mas olha, foi mais difícil ganhar dos caras ontem do que bater Vice e Flor juntos no ano passado pelo Brasileirão 2013 sem fim. Provavelmente um reflexo do Negueba e do Matheus em campo. Esse último é tão duvidoso na prática do esporte bretão que arrancou aplausos e fez o nome do Carlos Eduardo ser gritado pela Magnética ensandecida. Coisas de Flamengo…

Dei uma pincelada rápida no assunto, mas queria retornar um pouco nele. Estamos falando do mega-rebaixado FlorminenC, agremiação useira e vezeira em nos matar de tanto rir de sua mediocridade. Nunca, claro, tão rápido, antes mesmo de a temporada começar. Além de ser portadora de uma das camisas mais feias do figurino universal, o que é uma desonra pra quem ostenta a mesma logo de empresa de material esportivo no peito, sua torcida anda rasgando pregas mais que o normal. Os caras acham mesmo que são vítimas no rabaixamento do ano passado! Entendem que o resultado em campo não tem a menor importância perante o dos tribunais. Haja tapete pra essa raça!

Como a CV 197 foi feita há 5 meses, quando do fuderosão passeio sobre o Cruzeiro pelas oitavas da C do B no Maracanã, a apoteose do Seu Elias, muito assunto de lá pra cá deixou simplesmente de ser tocado. E vai continuar assim. Melhor nos atentarmos pra coisas mais atuais, certo?

Falando nisso, nossas contratações para 2014 merecem alguma nota. Não que nos dêem tanta esperança, mas os mulambos contratados ano passado, por muito menos, provocaram calafrios. É certo que alguns continuam nessa toada, mas outros, como Hernane, Paulinho e Elias nos matam de orgulho pelo que jogaram e vergonha pelo que falamos deles à época. As dispensas foram mais que óbvias, principalmente a do tal Marcelo Moreno, que ainda se deu bem indo limpar com a bunda o banco do melhor time do Brasil. Bom empresário o dele. Mas, voltando à vaca fria das contratações, creio que a política pé no chão da diretoria galáctica se manteve. Nada de arroubos com craques em falta no mercado. Os caras, como o Feijão, o Éverton e o Elano, vieram pra somar, em posições pontuais. Ótimo. Os demais, como os estrangeiros, são uma incógnita. E ponto.

Bem, nosso ano não poderia começar melhor: 100% de aproveitamento, melhor defesa e invencibilidade de 2 meses. É só manter o scout.

De minha parte, prometo usar mais esse espaço com minhas opiniões imparciais e altamente embasadas, já que há louco pra tudo. Inclusive pra ler e curtir essa insólita letra.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 197: Simbiose!

Aprendam uma coisa: simbiose é a união de Flamengo com a Maior Torcida do Mundo.

Aprendam uma coisa: simbiose é a união de Flamengo com a Maior Torcida do Mundo.

A gente já sabia. No fundo a gente sabia. Flamengo é Flamengo! Isso é Mengão! Não tem favoritismo quando temos que reverter uma situação. Aliás, tem sim, e é nosso. O melhor time do Brasil não é adversário à altura pra gente. Flamengo mais a Maior Torcida do Mundo mais Maracanã mais classificação complicada dá vitória. Sabíamos disso desde o gol no Mineirão!

O Maraca é nossa casa. A Magnética é a maior. Somos mais apaixonados. Somos mais Flamengo! Aprendam isso!

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 196: Letra!

Brocador manda letra, pra tristeza dos pobres coitados lá do fundo!

Brocador manda letra, pra tristeza dos pobres coitados lá do fundo!

Ou, ao contrário do nosso matador brocador Hernane, não vou mandar uma letra sobre a tunda catequética nos foragidos da série B de ontem.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 195: Gol bizarro e outras questões

É assim que se fica quando se toma gol ridículo

É assim que se fica quando se toma gol ridículo

Geral sabe que a fase do Mengão Dominante Aniquilidor da rafameia mal-vestida não é das melhores. Por milhões de razões, as quais não vou perder meu tempo listando. Ou melhor, vou sim. Como antecipei no post pré-jogo abaixo, as portuga seriam difíceis pra gente. Os caras têm sido pedra na chuteira flamenga há algum tempo, mesmo nos anos em que caem para seus certeiros passeios na divisão florminensista inferior à nossa e na qual nunca tivemos o desprazer de conviver no lodo e na sujeira fétida e pestilenta. Parece ser o jogo do ano pros molambos. Mas isso não é desculpa, nem era minha intenção que parecesse ser.

A versão 2013 e meio do Flamengo tem um ou outro aperfeiçoamento, um equipamentinho aqui e alí, mas é basicamente o do início do ano. É suficiente para levar o resto do ano sem muitas pretensões, sem muita empolgação. Além da falta de jogador de qualidade em algumas posições, outros tanto burros de doer, e muita, muita falha, o time não tem a mínima estrela. Lembro do Mengão Fuderosão de 2009, ano em que passávamos rodo geral, jogando bem ou não, e as coisas do sobrenatural, como gols olímpicos, ou no apagar das luzes, essas coisas que não querem dizer nada mas dizem tudo, eram a nosso favor. Olha, time que toma gol aos 48 minutos do segundo tempo de um goleiro que diz que não sabe cabecear e, pasme, pela segunda vez, não merece nada. Ou melhor, nem é questão de merecimento. Nesse caso, é questão de desmerecimento. Em outras palavras, é o contrário de sorte de campeão. Mas vamos evitar falar em azar de derrotado porque Flamengo é Flamengo e essa palavra não cabe nas nossas definições.

Quer outro exemplo disso? No sorteio das oitavas da C do B, o Flamengo poderia cruzar com 8 times, dos quais somente o Cruzeiro poderia oferecer alguma resistência. E não é que pegamos exatamente o melhor time na próxima fase? Pra se ganhar alguma coisa, não dá para escolher adversário, mas também não precisava pegar os caras logo de cara. Minha previsão: um dos finalistas sai desse confronto.

Bem, domingão tem Maraca, contra o Flor mequetrefe e sem rumo ainda. Luxa é nosso, mas vai querer aprontar contra a gente, como sempre. Uma vitória, além da bolada dos 3 pontos, nos dá um pouco de tranquilidade. Uma derrota e a crise vem firme. Empate é ruim. Mas é bom!

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 194: Campeão da América? Quem!?

Comemoração unida do time no gol coisa linda de meu Deus do Nixon

Comemoração unida do time no gol coisa linda de meu Deus do Nixon

Existem coisas contra as quais não se pode lutar contra, divergir ou deixar de aceitar. As suecas são as mais bonitas. A água do mar é salgada. O Flor deve uma Segundona pra sociedade. Nossa cerveja não é a melhor do mundo. E o Atlético Mineiro é muito freguês do Flamengo. Não há como negar que os caras jogam com uma vontade superior contra a gente, e nós estamos pra eles assim como político brasileiro está para o povo: nem aí. Mesmo vindo de um título que nem eles mesmos acreditavam ser possível conquistar, apesar dos gritos insanos da arquibancada, os caras não foram adversários pra gente ontem. Como, via de regra, não são nunca! E, mais engraçado de tudo, é saber o quanto os buchas piram quando ouvem falar do Flamengo e, pior ainda, da Maior do Mundo. Parecem viceínos! Ganharam, de novo, o que a maricotinha ganhou atrás da horta da mulambada insana flamenga!

Muito legal o show de ambas as torcidas ontem no estádio de Brasília. Mesmo perdendo desde antes de o jogo começar, os maluquetes da terceira torcida das Minas Gerais tentaram, em vão, obviamente, fazer frente à Magnética, trabalho inútil e tarefa ingrata. Mas valeu o esforço… O que um título impossível não faz com torcidas pequenas, né? Vieram em peso ao estádio, provavelmente reforçados por gente das redondezas mineiristas, já que aqui não há tanto galináceo assim, e encheram quase 20% do espaço dedicado a eles no estádio. Em compensação, na parte mista das arquibancadas, tinha quase 1 atleticano para 50 Rubro-Negros nas inferiores do Nacional. Muito legal a empolgação dos caras. Inócua, mas legal. Ajudou muito a aumentar a média de público do Mengão no campeonato, a nos alçar para a liderança do quesito e a reforçar que Flamengo é foda e pronto. Aliás, fizemos os jogos com os 4 maiores números de torcedores do torneio. Dá procê ou quer mais?

Ah, sim, claro, não podia deixar de lembrar de um fato relativo ao jogo. Esperto como é, o Miguezinho Gaúcho previu o que todo mundo também já sabia e não quis fazer parte do papelão de seu time, ficando de fora da partida. Eu ganho, vocês perdem! Rá!

Próxima contenda é contra a Bigoduda, no mesmo estádio. Tendo a achar que a diretoria atual manda muito bem nos aspectos gerenciais. Mas não consigo ter opinião formada ainda sobre a decisão de isolar o anel superior e colocar somente 27 mil ingressos para venda. Torcidismos à parte, vamos pra cima, pra fazer 6 pontos seguidos pela primeira vez no campeonato, deixar o perrengue e o acesso à divisão subalterna fluminensista para sãopaulos e atléticos da vida e sonhar com um lugar mais adequando às glórias e tradições do Mais Querido.

Flamengo até morrer!