Tag Archives: Apito Amigo

cornetada vitoriana nº 138: ceará possível?

É, meus chapas, o que dizer do que nossos cansados e pasmos olhos viram na capital cearense de todos os Rubro-Negros no dia de ontem? Um Flamengo guerreiro, brioso, talentoso, com garra acima até da média flamenga, errando muito pouco. Aforantemente as derrapadas habituais, como as falhas bisonhas e faltas imbecis do nosso querido Whelinton, a inoperância do Egídio no tempo em que esteve em campo e a falta de objetividade da estrela da companhia R10 nos últimos 70 minutos de jogo, fizemos uma apresentação digna. Falando nisso, uma brecha para uma cornetada sobre o cara: ontem, ao menos nos 20 minutos iniciais, o cara mostrou um pouco mais de futebol pra frente, sem aqueles irritantes passes de lado e tentativas frustradas de dribles a la foca.

Bom, o cenário era inóspito pra massa Rubro-Negra dos quatro cantos do mundo. Como poucas vezes se vê em estádios Brasil afora, a animadinha torcida adversária tomou a infeliz arena, numa prova irrefutável de que ninguém ali foi ver o pequeno Ceará, mas o Esmagador Flamengão. O campo, depois de uma providencial chuva dos infernos, parecia pasto e, de tão pequeno, deve servir de palco para peladas de futebol soçaite quando o Flamengo não joga alí. Isso tudo ajudou muito a atrapalhar, mas não evitou a melhor apresentação do Flamengo no ano e o melhor jogo de futebol da temporada até o momento.

De bom nisso tudo, alguma coisa dá pra tirar. O Bottinelli me parece estar acertando naquele meio ali, junto com o Renato Canelada. O Thiago Neves já é melhor que o do Flor, e ainda vai dar muitas alegrias pra Magnética, escrevam isso aí. Joga muito, muita vontade e excesso de habilidade. Temos um time base, variamos jogadas, temos alternativas e, se não somos melhores, a culpa é da falta de um zagueiro, de um lateral esquerdo e de, talvez, um atacante goleador. Digo talvez porque o Wanderley mostrou a raça de sempre, mas uma aplicação tática que não tinha visto ainda. Só não pode perder gol em cima do goleiro, né, irmão, ainda mais quando o goleiro é o notório Manos de Taco tricoleta, infelicidade do folclórico ludopécio brasileiro, pródigo em criar personagens os mais bizarros possíveis, e que só consegue trabalhar direito contra o Flamengo.

Um pênalti no argentino não marcado, a farta distribuição de cartões amarelos para os nossos jogadores, outro (é, eu disse outro) gol em lance envolvendo a mão de um jogador adversário, uma expulsão injusta em uma falta que nem falta foi, a expulsão de nosso técnico quando este estava claramente retirando os jogadores de perto do trio calafrio de arbitragem, nada disso encobre o bom futebol jogado pelo Flamengo ontem. Mas falar de arbitragem (ou de não arbitragem) não combina com as maiores tradições Rubro-Negras. Mas que fomos roubados, e muito, ah, fomos!

A nota triste de verdade da noite fica por conta, de novo, do truculento, despreparado e mal-educado policial militar escalado pra sentar o cacete na mulambada em campo. Esse infeliz deveria pedir pra nascer de novo, imperiosamente com aptidão para outra carreira que não a que cuida da segurança do bom povo cearense do Ceará.

Em uns dez dias começa o Brasileirão. Vamos com um time forte, uma base boa, e podemos sonhar com o hepta, sim. Futebol nós temos. Adversários fraquinhos, sem tradição e sem camisa como o de ontem também. E esse grupo é vitorioso. Mostrou isso até na derrota.

Flamengo até morrer!

Anúncios

cornetada vitoriana nº 136: tudo normal

A Mão classifica a gente de novo. Valeu, Felipe!

Nada mais normal para um domingão de Páscoa que o Flamengo passar o rodo geral nos minguadinhos adversários conterrâneos. Como diz minha irmã, ah, para! Alguém com a consciência moral em uma escala acima do plancton tinha alguma dúvida de que atropelaríamos o Flor hoje? Confesso que, dada a nossa semana complicada e ao êxtase provocado nas tricoletas pela suada e milagrosa classificação na Liberta, o que só veio a postergar um pouco o mico florminensista na competição sulamericana, achei que a vaca ia pro brejo hoje. Mas foi o tempo de um cigarro somente pra voltar à realidade e lembrar que a tendência do caos é chegar à normalidade. Porque não há nada mais normal que o trunfo rubro-negro sobre a rafaméia das pequenas agremiações que formam os demais adversários da freguesia carioca.

Nem o vexatório apito amigo de sempre, com direito a pênalti não marcado e gol em franco, claro, limpo e óbvio impedimento conseguiram tirar do Flamengo o que é seu por direito: vaga na final de qualquer torneio que dispute. E, ironia das ironias, a vitória veio nos pênaltis. Engraçado era ter a impressão de que o ridículo Num-Sei-Quê Vassols, árbitro da contenda dominical que conseguiu a proeza de pertencer e despertencer ao quadro da Fifa, poderia não ter marcado a sequência de pênaltis que nos consagrou contra finalistas da TR. Ia ser curioso…

É isso, mais uma classificação catequética e doutrinadora, deste time que pode nem ser o melhor guaraná do deserto, mas é, sim, invencível.

Quarta tem Horizonte pela C do B. Bom, pequeno por pequeno, já destruímos um hoje, vamos destruir uma na quarta e outro no domingo. Esse último atende pelo nome de Vice da Gama. Precisa falar alguma coisa?

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 82: Envergonhamos o Flu. De novo.

O que dizer do Fla X Flor de ontem que ainda não foi dito? Como não sou jornalista, não tenho nenhum compromisso com o furo, a novidade e nem mesmo com a verdade. Aliás, quanto a esta última, o faço por questão de princípios. Como o lance aqui é opinião, então, ela, a verdade, pode até ser colocada de lado. Em se tratando de opinião sobre o Flamengo, não será o caso.

Bom, os tricoletas erraram o tempo todo, mesmo quando acertaram, mesmo antes do dia do jogo. Nenhum time pode se preparar para um jogo contra o Mengão com rirrirri, oba-oba e já ganhou. Nenhum jogador ou jornalista pode colocar nenhuma agremiação menor como favorito contra o Mais Querido. Nenhum clubezinho metido a besta pode meter 3 no Fla e achar que levou o jogo. Nenhum juizinho de merda pode expulsar injustamente um guerreiro flamengo e deixar de marcar pênalits óbvios e ficar por isso mesmo. E nenhuma torcidinha pode achar que já levou do Flamengo, gritar olé com 1 a 0 (só os foragidos da Segundona mesmo…) e, principalmente, querer se equiparar em qualquer quesito à Magnética.

Quanto ao jogo, o que é o Adriano na vida, meu chapa? Como esse sujeito joga! A zaga do Flor mostrava o medo do cara nos olhos. O Diguinho deve estar sonhando com o Impera até hoje. E o Império do Amor pegou mesmo! Vinícius Pacheco mandou demais ontem. Se ficar nessa, será o nosso meia por um tempão. Apesar do Andrade ter entrado errado com o Fierro na lateral tendo um especialista no elenco, consertou tudo no intervalo e mandou bem de novo.

Doutrinamos novamente, e ajudamos a desmistificar algumas verdades futebolísticas. Uma delas: a de que o Flamengo é o melhor time do Brasil.

Essa lambança do Pet é pra tanto, fala a verdade? Exagero dele, do Marcos Braz e, principalmente, da imprensa.

De passagem pelos 3 a 2 sobre o Americano, pra não dizer que não toquei no assunto e nem reconheci a partida ruinzona que fizemos. Pronto, toquei.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 72: Petdependência

É deste mal que o Flamengo parece sofrer. Sem o Petkovic, o Mengão não foi nada ontem, contra o Grêmio Barueri, na Grande São Paulo. Em momento nenhum. Bastou o pequeno paulista abafar na marcação da saída de bola, e a melhor opção de ligação da defesa com o ataque foram as bicudas do Angelim. Falando em Angelim, o Andrade tem que repensar sua escalação. Não por outro motivo que não sua lentidão. Tomamos dois gols do seu lado ontem, o que é lamentável, em função do passado e dos serviços prestados deste ótimo zagueiro. Com o Fabrício e o Airton mandando bem ali atrás, acho que temos que mudar nossa zaga. Antes que seja tarde.

O Andrade montou um time estranhão, mas ousado. Apesar do perrengue pra sair jogando, so far, so good antes de tomarmos o primeiro gol irregular. Mais um aliás. Agora, tirar o Maldonado foi brincadeira. Colocar o louco Denis Marquis e o Erick Flowers, que ainda não disse ao que veio, acabou com o Flamengo. Tomara que tenha aprendido. O primeiro atrapalha o ataque, o segundo se atrapalha sozinho. Mandou mal nosso bom treinador.

A solução pra melhorar o time estava em campo. Recuar o Airton pra cobrir a zaga, fixar o Willians Ninja ao lado do Maldonado na frente, e liberar os laterais e o Zé Roberto fariam mais sentido que colocar os molambos que entraram. Já posso ser treinador do Mengão…

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 68: De volta, eu e o Mengao!

Entao, como voces irao perceber pela falta de acentos e pouca paciencia para escrever, continuo de ferias na Florida, mas sem nunca abandonar o Mengao e ostentar o Manto onde quer que va. Por isso, tambem, essa CV eh curta e 3 em 1. Desde a ultima vez que mandei recado aqui, empatamos como Chororo Colorado, ganhamos do Flor e aumentamos a tensao nas Laranjeiras e empatamos vitoriosamente com o generico baiano. Desses, vi ao vivo o nosso esperado triunfo contra as mocas da quase zona norte fluminense. E que joguinho bom o nosso! Merecemos nao so a vitoria, mas metermos uma tunda sem precedentes no timinho poucas vezes campeao. O Imperador voltou, eh artilheiro, e mandou demais. O time todo esta de parabens. Nao vi o jogo no sul, mas empatar la e sempre uma vitoria. Dizem que o gramado estava impraticavel. Bom para nos. E o de ontem… Outro milagre andradeano. Contra juiz, gandula, cera e tudo. Nao vi, mas tenho certeza de que mandamos muito bem.

O Dunga foi tirar o Adriano da gente logo no jogo contra o SP… Nossa vitoria sera mais sofrida…

Flamengo ate morrer!

Cornetada Vitoriana nº 64: 3 foi pouco…

Zé RobertoNo apito inicial, no sábado, contra o pobre carrasco (?) pequeno paulista pela 22ª rodada do Brasileirão 2009, já dava pra saber que deixaríamos o Maraca com uma boa vitória e a crise-que-crise? de lado. O gol no comecinho da partida veio pra confirmar a tese. Os rebotes eram flamengos, o ritmo do jogo era ditado por nós, a paciência que não tivemos em outros jogos se mostrou presente. O Mengão jogou com coração, com empenho, com aplicação tática. Se não dava por um lado a jogada era prontamente invertida para o outro. Jogando assim, ganhamos de qualquer time, em qualquer campo.

Jogamos muito e ganhamos. O Flamengo foi mais Flamengo do que nunca. Detonamos geral, fechamos espaços, marcamos como se fôssemos uruguaios e não demos a menor moral pro Santandré, time fraco e que mereceu tomar de mais. Mas foi bom pra evitar o oba-oba. Teve até gol do Denis Marques, dois em dois jogos seguidos. Quero mesmo queimar a minha língua no mármore do capeta e manter a esperança nesse cara. 0Berto fez o que se espera dele: jogar com vontade, correndo em todas as bolas e direções, voltando para marcar, fazendo gol e suando o manto. Parabéns, garoto. Já o nosso meio merece destaque especial. O Pet provou que joga muito, erra pouco, lidera e é, sim, o camisa 10 que precisamos. Todas as bolas passaram por seus abençoados pés, a distribuição de jogadas foi quase perfeita e, por isso, fizemos um jogo fácil ficar ainda mais fácil. É isso aí, molambada, parabéns a todos.

Boa a estréia do Álvaro. Não sei se pela fragilidade do adversário, mas fato é que o cara organizou a defesa, mostrou liderança e não perdeu nenhuma bola que disputou. E deixou claro que essa história de 3 zagueiros não funciiona direito na Gávea. O Maldonado entrou no segundo tempo, não dá pra falar muito dele. Já está bom!

O Everton vem jogando muito bem. Boa dor de cabeça pro cracaço Andrade. E o Léo voltou diferente, mais motivado. Fez gol e ofereceu à nova namorada. Acho que seus problemas se acabaram.

Se conseguirmos sucesso contra o Ventinho Paranaense na Baixada no fim de semana, acredito que a Magnética vai carregar esse time nas costas até a Libertadores do ano que vem.

Não quero engrossar o choro, digo, coro do Chorafogo, digo, Botafogo, mas o que estão fazendo com eles é absurdo. Não é possível que estejam só errando contra os caras. Tá parecendo algo mais profundo. Aliás, Flor e Flamengo têm passado pelo mesmo. Pensem, pensem…

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 63: Boladão grau 5

Em jogo sem muito apelo contra o Flor, o Flamengo deixou uma classificação fácil escapar pelos dedos. Bom, teve o de sempre, vários desfalques, jogador com cãibras, arbitragem podre e sempre contra nós, duas expulsões não-sei-não, Maraca vazio e muita luta dos nossos mulambos. Pior para os fatos. A verdade é que essa Sula não serve pra muita coisa, até que algum time grande brasileiro (Flamengo e mais um ou dois) conquiste a primeira. Fato é que não ganhamos nenhum jogo nesse torneio na vida. Pior para eles.

Até juizinho estrangeiro mete a mão no Flamengo. Pois é, pênalti não marcado no Pet no início do jogo, falta que não foi falta no pênalti fora da área que originou o gol do Flor, várias, mas muitas mesmo, faltas não marcadas contra nós, inversões de lateral e escanteio escandalosas… Nem precisávamos entrar em campo. Não ganharíamos nunca. Fomos roubados de novo!

Melhor que o grito de eliminado vindo da torcida do FluminenC foi a resposta da Magnética: ão, ão, ão, segunda divisão. Ambos parecem ser muito verdade…

Jogamos mal, mas com garra, vontade e merecemos vencer. Isso é Flamengo!

Maldonado e Álvaro: bom também!

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 61: Estou muito feliz!

Fla X Cru jogo returnoEra assim que eu imaginava o título deste post. A frase é do Emerson, batendo no peito e beijando o escudo do Mengão, na saída do intervalo do jogo contra o Cruzeiro, o primeiro do returno do Brasileirão 2009, um campeonato pra ser esquecido. Por vários motivos. Estou me sentindo simetricamente o contrário. É muito complicado torcer para um time com 7 desfalques. Sete. Isso demonstra falta de preparo físico, já que muitos destes estão machucados? Nosso goleiro de Seleção parece ter falhado novamente. Não sei, mas nem toda bola que vem na mão do goleiro é defensável. Só as que vão contra o nosso gol. Falta de treinamento? Futebol é ocupar espaço. O time do Flamengo desse jogo não ocupou espaço. Lateral não está na lateral, zagueiro não fica na zaga, meia perde o meio, atacante só vai na raça. Falta de inteligência? Por isso, as bolas batem e voltam e não caem no pé de nossos mulambos. Falta de posicionamento? Nossa escalação não foi das melhores e as alterações não surtiram efeito? Falta de técnico? Vontade de fazer o resultado é necessária desde o início até o fim do jogo. Só temos isso depois dos 30 do segundo tempo, e mesmo assim se estivermos perdendo. Falta de raça? Os juízes são péssimos e erram o tempo todo. Só que os erros redundam em gol somente contra o Flamengo, como no primeiro gol da Raposa, que só saiu pela falta clara-mas-muito-clara, no beque do Mengão. Falta de… Ah, sei lá de quê… O time não ajuda e, por isso, a Magnética não incentiva. Falta de torcida?

Bastou o Adriano ser convocado pra Selecinha pra fazer o seu pior jogo pelo Flamengo. Nem cascudo teve contra o Cruzeiro. E a culpa não é dele. Basta ver as atuações de Léo Moura, Kleberson e Juan depois de passarem pelo time do Dunga.

Falando em Selecinha, como é que pode um time com dois jogadores convocados pra melhor seleção do mundo não estar disputando o título de campeão brasileiro?

O jovem Jorbison saiu com cãibras. O Emerson, com um possível estiramento. E o Fabrício deixou o time com 10 depois de uma pancada violenta. Quantos times com 7 desfalques perdem mais 3 por contusão no mesmo jogo?

Falando nisso, digo sempre, mas estou “me contrariando a mim mesmo”, que não gosto de comentar arbitragem. Mas o Emerson foi caçado, expressão perfeita para descrever o que se passou no Maraca ontem, e o juizinho não fez absolutamente nada para punir o time mais punido com cartões vermelhos do Campeonato. O Kleber Gladiador, sensacional jogador, diga-se de passagem, deu uma entrada criminosa, criminosa no nosso zagueiro, e nem falta o senhor juiz marcou. Xingou sua mãe ao menos duas vezes (isso pelo que apareceu na TV), e nem advertência levou. O primeiro gol do Cruzeiro só aconteceu porque o lateral esquerdo fez falta no zagueiro do Flamengo. E então?

O Bruno, há 1 mês atrás, era cantado pela torcida como o melhor goleiro do Brasil. Ontem, foi vaiado até a morte.

Olha, mais do que um sentimento de torcedor, tinha certeza da vitória ontem. Mas não consegui nem sequer torcer para um empate depois do segundo gol do Cruzeiro. Estão (diretoria, jogadores, situação, arbitragem) mexendo até com a minha fé no Flamengo.

Se ganhássemos ontem, ficaríamos a 7 pontos do líder. Continuamos a 10. Não é muito? É sim.

Vamos jogar fora de casa, contra um time que não perde há 9 jogos. E aí, hein!?

Faltam 17 vit… Ah, não falta mais nada, cansei de contar…

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 60: Mais do mesmo

Mais um jogo que entregamos. Mas um caminhão de gols perdidos. E isso porque temos o maior anotador do campeonato. Mais um jogo sem vitória bem jogado pela mulambada. Mais uma excelente atuação do goleiro adversário. Mais uma atuação grotesca contra a gente da juizada incopetente e mal-intencionada. Mais um (ou dois) roubo bisonho do árbitro principal. Mais uma vez nesse campeonato o Mengão coloca um gostinho de vamos-ganhar na boca da Magnética e nos tira. Desse jeito, não adianta Imperador. Não adianta o Emerson querer ficar por amor à camisa. Não adianta contratar nem Ricardinho, nem Marcos Assunção. Não adianta manter Andrade. Não adianta ter o Leonardo como Presidente e nem o Zico como treinador. Num campeonato cheio de intenções estranhas como esse, é cada vez mais difícil ser Flamengo!

O mundo inteiro diz que o time do Flamengo atual é bom. A diretoria diz que o time é bom. A comissão técnica diz que o grupo é de qualidade. Eu, honestamente, acho que não é a melhor coisa do mundo, mas é superior a, pelo menos, 18 dos times que disputam o Brasileirão. Os adversários, ganhando, perdendo ou empatando, afirmam que o Flamengo tem valor. A imprensa diz que vai ser pedreira quando um time vai enfrentar o Flamengo. E por que será que a gente só ocupa a 10 colocação nesta merda? Eu acho que eu sei porque… O apito tem nos atrapalhado desde o ano passado, lembram?

Ainda, e vai continuar por muito tempo, faltam 17 vitórias.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 57: Que roubada!

Fla X GoiasSaí de Brasília e enfrentei os quase 200 km que separam a Capital da cidade de Goiânia, que abrigaria o palco de mais uma apresentação do Mengão nesse Brasileirão esquisito. Estrada cheia, parada estratégica pra me abastecer do melhor da comida de beira de estrada: pastel e coxinha de galinha. A lanchonete já mostrava o que viria multiplicado por 1 mil a seguir. Dezenas de rubro-negros com a mesma idéia na cabeça e a mesma vontade de ver o seu time do coração em campo, no lugar mais próximo de sua casa que este campeonato permite. O jogo contra o Goiás em Goiânia é um acontecimento na vida dos candangos flamengos. Na estrada, dezenas de carros com bandeiras tremulando, adesivos do escudo mais lindo do mundo e ocupantes muito bem paramentados. Nos arredores do Serra Dourada já se podia ter uma idéia da divisão latifundiária das arquibandas. Meio a meio, talvez. Um cerveja (estava dirigindo), um churrasquinho, tão maroto quanto suspeito e o êxtase de estar a minutos de uma das maiores emoções da vida de quem gosta de futebol e ama o Flamengo. A organização do jogo, não sei se a mando (provavelmente) da diretoria do pequeno esmeraldino sem tradição e sem título, ou por obra deles mesmos, já que alguns membros do staff estavam vestidos com aquela coisa verde horrorosa destoou. Se tratar a torcida adversária daquele jeito, impedindo-a de entrar no estádio (no estádio, nas arquibancadas a história seria outra, bem pior) é sinal de organização e estrutura, prefiro mil vezes a bagunça da Gávea. Até cavalo da polícia montada tive que empurrar para que as crianças ao redor, em especial o Bruninho, sobrinho do goiano e rubro-negro (chupa, seu babaca Hélio dos Anjos) Rodrigo, amigo de longa data, não fossem pisoteadas. Dentro, impossível o acesso ao anel reservado para a Magnética. Não fosse o bom senso, ainda que tardio, dos policiais que faziam o isolamento entre os bem vestidos e os mal em diminuir a faixa que os separava e eu não teria visto o jogo. Dentro, e confortavelmente instalado, a força e o tamanho da maior torcida do mundo, ainda que meio tímida e desanimada, era algo de emocionar. Durante o jogo, seria melhor ainda. Esse era o cenário. Triste seria o seu fim.

Bom, ao jogo. Não sei se merecíamos ganhar. Acho que sim, o Flamengo e sua torcida merecem ganhar sempre. Temí pelo pior ao ver um gol precoce, um domínio goianista ao qual não estamos acostumados (e nem eles) e outro gol, com clara e manifesta participação do árbitro. O próprio juiz assumiu o erro. Apesar da apatia, dava, sim, pra sentir que poderíamos reagir, ainda no primeiro tempo. Como, também, podia-se esperar por coisa pior. Faltas e saídas de bola invertidas, geral apático dentro do campo, mulambada sem mérito pra vestir o Manto e torcida quase impaciente e aborrecida. Se o adversário teve méritos próprios, não sei dizer. Mas é certo que um time não impõe a falta de vontade do outro. Ah, ia esquecendo, o Dênis Marques me parece ser o próximo candidato a desgracença do elenco. Quero estar errado. E foi assim, com ele, que o Fla foi para o vestiário. Para voltar sem.

No retorno, outra atitude. Um pênalti marcado e outro não no Imperador, média 5, passou (?) o juiz. Um verdadeiro massacre, mas muito maior que o supostamente oferecido pelo Goiás no primeiro tempo e o segundo gol era questão de tempo. Andrade mandou muito no intervalo, tanto nas entradas do gringo e do bom Bruno Paulo, quanto na resenha balançadora e botadora de vergonha na cara dos cabras. E eis que veio o empate, em jogada sensacional do Petkovic. O cara não desaprendeu mesmo, e provou que jogar em Florminense, Goiás e Atrético-MG é que faz um pobre desaprender. Golaço e delírio da Nação. Como se não bastasse, a virada foi, infelizmente, virtual. Mais uma vez a anta de bandeira na mão impediu nosso sucesso. Aos 40 minutos, o Bruno Paulo ia entrar com bola e tudo. Mas não deixaram. Bom, chega de falar de arbitragem e o resto todo mundo já sabe.

Ainda assim, valeu. Mostramos pro cretino do treinador esmeraldino que torcida de futebol é paixão, é coração, é amor. Vai muito além de limitadores geográficos, região, origem ou da opinião imbecil de um famoso quem. Mostramos de novo o que é torcida e sua força. É pena que eles estavam em maior número e os 3 a mais que estavam dentro do campo, estranhamente vestidos de preto, fizeram toda a diferença.

Faltam 18 vitórias.

Flamengo até morrer!