Tag Archives: Comentário

Cornetada Vitoriana nº 87: Abaixo a dungalização do Andrade!

Confesso que temi pelo pior em relação à promissora carreira do nosso promissor Andrade, o Tromba. Em como dominar a situação, falar a língua da mulambada, tirar o melhor de cada jogador e manter o Flamengo Flamengo, não temos nenhuma dúvida de que ele é bom. No entanto, juro que temia pelo processo de burocratização de nosso treinador campeão. Os jogos do Flamengo tinham-se tornado muito previsíveis, sendo superados em previsibilidade pelas escalações óbvias e pelas alterações café-com-leite de nosso comandante. Contra o Resende, acho que meus temores se dissolveram. Pela primeira vez, vimos o Menino Pacheco e o Pet em campo juntos, o que foi ótimo. O Andrade colocou outro meia no lugar de um cabeça de área, o Toró, que até fez bem feito enquanto ficou em campo. E ainda colocou um lateral no meio-campo. Achava, até então, que o cara era do tipo que pensa que zagueiro só substitui zagueiro, meia entra no lugar de meia e atacante só sai pra dar lugar a outro atacante, como certos treinadores de certas seleções brasileiras. Resultado: nó nas tripas dos pequenos resendenses e goleada convincente com boa apresentação.

Juan tá voltando? Não, não me refiro ao zagueiro da Selecinha, mas ao nosso bravo marrentinho lateral esquerdo. Jogou pacas no sábado, e tem dado várias assistências para gols. O Léo já está mostrando serviço a muito tempo. Flamengo com os laterais jogando bem, mais o Império do Amor é igual à invencibilidade na América. Resposta à pergunta inicial: sim!

O Bruno The Wall saiu em defesa do Adriano e asseclas no embróglio do suposto baile funk na semana passada, exigindo respeito. Vi uma crítica do Sr. Álvaro Oliveira Filho (Globo/CBN) dando conta de que, pra exigir respeito, tem que se dar ao respeito. Natural. Nada natural foram os exemplos dados pelos comentador. Lembro do episódio envolvendo o então auxiliar técnico Andrade e o recém-chegado goleiro. Ora, meu filho, o cara não sabia onde estava, e nem com quem estava lidando, ao desrespeitá-lo. Será que alguém que pensa iria mesmo achar que o goleiro titular há 3 anos e capitão de uma equipe qualquer não respeita seu chefe e continua em campo? Outro fato citado foi relativo às (será?) brigas entre os jogadores do Flamengo, tornando o ambiente de desunião e discórdia. Ora, o Flamengo é o maior clube do mundo, o que mais vende notícia, e até um zelador gripado vira manchete. E, infelizmente, não sabemos lidar com blindagens e factóides inventados ou mesmo verdadeiros divulgados pela imprensa. O que quero dizer é que todo time tem 25, 30 jogadores, e é impossível não haver arranca-rabo e tititi entre esses caras. Ocorre que, no Flamengo, essas coisas vazam e tomam uma proporção gigante. A melhor prova de que o ambiente é bom se vê nas comemorações dos (milhares de) gols que fazemos, ocasião em que 6, 7, 8 jogadores, mais alguns reservas, se abraçam e se cumprimentam. Ah, chega dessa bobagem…

Ainda sobre as falas do Bruno, o cara disse: “Qual de vocês aí que é casado que nunca brigou com a mulher, que nunca discutiu, que nunca ATÉ saiu na mão com uma mulher?” Isso é textual, foi exatamente isso o que ele disse. É bem diferente dizer que ele acha que é normal se bater em mulher, fazer apologia a isso ou afirmar que o jogador disse que bate em mulher, como se tem sido noticiado. Não tenho procuração pra defendê-lo, mas, a despeito de ele ter ido a público pedir desculpas pelo discurso, o que é mais uma satisfação para fechar o caso que uma assunção de culpa, esse é outro caso clássico de má interpretação, exagero e má fé da imprensa para com o Flamengo e seus atletas.

Mais uma vez atropelamos um pequeno e, graças à incompetência florminensista, assumimos a liderança, que era temporária para o tricoflor e é definitivamente nossa até o fim do turno.

Adriano tá vacilando. Vai ficar de fora da Copa desse jeito…

Saiu a tabela do Brasileirão 2010. O Mengão pega o SP, dia 9 de maio, no Maraca. Primeira vítima.

Flamengo até morrer!

Flamenguidade: da série babaquices e falações

Posso até ter feito, não me lembro, mas eu evito falar mal do cara. No entanto, esse tal de Ronaldo Fenômeno é, verdadeira e ridiculamente, um grande babaca. Tem mais de seis meses que ele veste a camisa do Corinthians, mas não consegue esquecer o Mengão. E não consegue enxergar (ou então enxerga até demais) que é o inocente inútil de uma ação de marketing avassaladora e bem-sucedida tramada e orquestrada pela Nike e pelo Corinthians. E parece que vomitar impropérios acerca do tamanho da torcida mosqueteira e da do Mais Querido é uma das cláusulas mais importantes. De traidor da Nação, o cara parece estar se sentindo traído. E, parafraseando nosso cartolão KL, está-se saindo um comediante dos melhores. E nem inventando esses factóides tão bisonhos quanto insólitos o cara tem conseguido brilhar sozinho sem se valer dos holofotes Rubro-Negros.

Ah, cara, quando te chamarem para um programa de televisão, vá por si mesmo, pelo seu clube, esquece o Flamengo! Já somos notícia e temos cobertura demais da imprensa pra ficar no meio dessas confusõeszinhas imbecis nas quais você nos coloca. Para de dizer que você é Flamengo. Você é profissional (num sentido não muito bom) demais pra se dizer torcedor do Mengão. Olha, corro o risco de queimar a minha língua, já que do futebol e da cabeça oca da nossa diretoria tudo pode ser esperado. Mas fica por aí, vai pro raio que o parta, mas não pense em Flamengo mais. Faça-nos esse favor.

Falando nisso, quer ser Flamengo e provar isso? Seja o Ibson!

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 36: o Penta-Tri tá chegando!

Que joguinho muquirana o de ontem. Botafogo e Flamengo fizeram um jogo digno de uma final. Mas não do Carioca. Seu Cuca mandou mal de novo na escalação e na distribuição dos caras em campo. E isso fez com que sentíssemos falta do… Aírton. Sem ele e com um zagueiro-zagueiro no lugar, sobrou pro incansável Willians o apoio da defesa ao ataque. Com isso, quem iria marcar o bom Maicossuel? Melhor pra gente que conseguimos um empatezinho mandrake, com outro golaço contra do nosso melhor artilheiro chorafoguense, o Emerson.

Quem foi que disse que ser Pentra-Tri seria fácil?

O babado da vinda do Adriano Imperador é forte. Que venha o futebol e que fiquem pra trás os problemas pessoais.

Não vou falar do Ronaldo hoje. O terceiro gol contra o Santos diz tudo. Coringão campeão paulista fácil, fácil.

E esse patrocínio que não sai, hein, diretoria? Enquanto isso, tome dívidas e salário atrasado.

Flamengo até morrer!

bloguismo: post maneiro

Cara,  o Urublog, blog pendurado no GloboEsporte.com, rubro-negristicamente liderado pelo publicitário sangue-bão Arthur Muhlenberg, tem um milhão de sacações bacanas, dentre elas algumas participações especiais, como as tirinhas Seja na Terra, Seja no Mar ou a coluna do Rondi Ramone, a Hey Ho Mengo. Dentre elas, há uma que quero destacar hoje: o Primo Rica, do Rica Perrone, jornalista paulista. O post desta semana do cara está imbatível. Manda a flamenguidade a níveis austeros de emoção e “mengalomania”. É simplesmente inacreditável a narrativa do jogo entre Flamengo e Vasco, o do gol de falta do Pet no goleiro Helton. Confere aí e diz se não é pra recuperar qualquer Rubro-Negro degenerado e pra confirmar a paixão dos demais. E olha que o cara é sãopaulino! Duvido muito…

http://colunas.globoesporte.com/arthurmuhlenberg/2009/04/16/primo-rica-um-domingo-qualquer/

Flamengo até morrer!

Bem-vindo!

emerson-flamengoDesde o Dimba que tento não depositar esperanças nas contratações maravilhosas de nossos brilhantes dirigentes. Mas tô abrindo uma exceção, louco pra não queimar a língua (ou as pontas dos dedos). Esse cara parece ser diferente, não pela qualidade, que ainda não conheço, mas pelas atitudes e palavras. Estou falando do Emerson, nova contratação flamenga para a temporada. O cara já chegou treinando sem ter sido nem apresentado, foi ao Maraca no primeiro jogo para prestigiar os futuros novos colegas, já participou de rachão e de reunião de jogadores e é mais Rubro-Negro que muito flamenguista por aí. Dá uma conferida nas declarações do cara:

“Estou muito feliz. Este era o meu desejo. Estou aqui porque eu quero. E a diretoria foi muito clara quanto a situação financeira do clube.”

“É o momento mais feliz da minha carreira. O Flamengo abriu as portas e estou aqui porque é um desejo. Tinha outras propostas mais vantajosas, mas vestir essa camisa usada por Zico e Junior, nossa, é uma alegria muito grande. Por paixão e amor você faz coisas que é difícil explicar. Sempre quis jogar aqui. Não sei até quando o dinheiro é mais importante do que isso. Estou fazendo o que meu coração está mandando.”

“Estou aqui para somar forças. Futebol é coletivo. Não estamos falando de tênis. Podemos sair dessa situação. O Flamengo está na briga. Se ganhar na quarta, volta tudo ao normal.”

Esse mereceu um post exclusivo só pra ele…

Flamengo até morrer!

futebol e economia

cofrinhoEste texto é atribuído ao publicitário Mentor Muniz Neto, diretor de criação e sócio da Bullet, uma das maiores agências de propaganda do Brasil, sobre a crise mundial.

“Vou fazer um slideshow para você. Está preparado? É comum, você já viu essas imagens antes. Quem sabe até já se acostumou com elas. Começa com aquelas crianças famintas da África. Aquelas com os ossos visíveis por baixo da pele. Aquelas com moscas nos olhos. Os slides se sucedem. Êxodos de populações inteiras. Gente faminta. Gente pobre. Gente sem futuro. Durante décadas, vimos essas imagens. No Discovery Channel, na National Geographic, nos concursos de foto. Algumas viraram até objetos de arte, em livros de fotógrafos renomados. São imagens de miséria que comovem. São imagens que criam plataformas de governo. Criam ONGs. Criam entidades. Criam movimentos sociais. A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em Bogotá sensibiliza. Ano após ano, discutiu-se o que fazer. Anos de pressão para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais poderosas do planeta. Dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários para resolver o problema da fome no mundo. Resolver, capicce? Extinguir. Não haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em nenhum canto do planeta. Não sei como calcularam este número. Mas digamos que esteja subestimado. Digamos que seja o dobro. Ou o triplo. Com 120 bilhões o mundo seria um lugar mais justo. Não houve passeata, discurso político ou filosófico ou foto que sensibilizasse. Não houve documentário, ONG, lobby ou pressão que resolvesse. Mas em uma semana, os mesmos líderes, as mesmas potências, tiraram da cartola 2.2 trilhões de dólares (700 bi nos EUA, 1.5 tri na Europa) para salvar da fome quem já estava de barriga cheia. Bancos e investidores. Como uma pessoa comentou, é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não na mídia de massa, essa mesma que sabe muito bem dar tapa e afagar”.

Pois é, o que se diz é que um shek ofereceu 100 milhões de libras em troca do Kaká. Pelos cálculos acima, é cerca de 0,5% do necessário para matar a fome do mundo. Isso tudo por um jogador de futebol. E nós não conseguimos contratar nem o Adriano…

Flamengo até morrer!

cornetada vitoriana nº 14

Última da série histórica, após a indignação do empate bisonho com a Bigoduda, confirmando a desconfiança com relação ao Milhouse e com a classificação pra Liberta. A CV 15 já foi criada neste espaço.

HOJE NÃO TEM CORNETADA!

silencio

cornetada vitoriana nº 13

Essa CV foi escrita depois do jogo contra o Coritiba, 5 a 0, com 3 de Obina, antes da eleição do novo presidente dos EUA:

BARACK OBINA PARA PRESIDENTE!

 

barack-obina

 Oh, oh, Obina é melhor que Eto’o! E o Mengão tá chegando, tá chegando geral que é pra mostrar quem manda!

Flamengo até morrer!

cornetada vitoriana nº 12

A CV12, depois da vitória do Fla sobre o rebaixadão no segundo turno, apesar do erro grosseiro envolvendo o nome do Barueri:

DE NOVO!

 

calculadora-vasco1Que a naufragália da camisa horrorosa já é nosso maior freguês em finais, lutando bravamente contra o Fogão por este título, já estamos mais que carecas de saber. Agora, não ganhar nem partidas normais… Se bem que a de ontem não teve nada de normal, a começar pelo público. Tudo bem que choveu e tudo, mas 20, 30 mil habitantes em jogo dos outros timinhos é uma honra e uma raridade comemorada. No Mengão, não, é pouco, não serve nem pra atrapalhar. Outro motivo para anormalidade: cavamos ainda mais a cova cruzmaltina. Os caras traçaram uma reta rumo à Segundona, e seu maior algoz tinha que participar disto. Vai ser lindo ver o Vascão e o Renato Maluco penando pra bater o ABC, o Vila Nova e o Barueri. Por fim, o sonhado Hexa ainda é muito possível, e a colônia portuguesa nos ajudou muito nisso ontem. Obrigado!

Flamengo até morrer!

Cornetada vitoriana nº 18

NÃO DEU

 

Essa é a primeira cornetada depois do efeito da boa e vital cerveja. Deve sair mais confusa que o normal. Mas tem flamengo-cv-18coisa que tem que ser feita no calor do momento. E falar da situação atual do Mengão é uma delas. Primeiro perdemos o título. Depois, a possibilidade de uma Libertadores antecipada. E, agora, a classificação que só dependia dos nossos próprios esforços. Não houve esforço. Não entendo nem como fizemos 3 gols contra o similar curitibano. Faltou vontade. Faltou futebol. Faltou perna. Faltou técnico. Faltou flamenguismo. Não deu. Ao contrário do resto do campeonato, salvo exceções como os jogos contra o (infelizmente para o mundo do futebol) Hexa São Paulo, desta vez não perdemos pra nós mesmos. O Flamengo entregou o campeonato. Entregou alguns jogos. Entregou a classificação. Pelo menos não somos florminenses e vasdagamas…

Flamengo até morrer!