Tag Archives: Grêmio

Scout 2013: jogo 63

Grêmio 2X1 Flamengo
Porto Alegre, 17/11/13
Brasileirão 2013 – 35ª rodada
Gol: João Paulo, 40′, 2T.
No ano: 31V, 16E, 16D; 109 pontos; 57,6%; 90 gols pró, 65 gols contra
Hernane – 33
Elias – 9
Renato Abreu – 7
Marcelo Moreno – 4
Nixon – 4
Paulinho – 4
André Santos – 3
Cleber Santana – 3
Gabriel – 3
João Paulo – 3
Léo Moura – 3
Rafinha – 3
Chicão – 2
Wallace – 2
Cáceres – 1
Carlos Eduardo – 1
Gum (Fluminense) – 1
Ibson – 1
Luiz Antônio – 1
Roberto Dias (Campinense) – 1
Rodolfo – 1

Brasileirão 2013: Grêmio X Flamengo – 17/11/13

Fla X GremioTodo Rubro-Negro puro de origem nem liga pra jogo contra o Grêmio, pois sabe a tunda que o espera. Mas todo Rubro-Negro puríssimo de origem torce muito mesmo assim. E mesmo com o time B. Que deve ser o suficiente pra nos representar lá no Uruguai do Norte. Vamos, Flamengo! 1 a 0.

Flamengo até morrer!

Scout 2013: jogo 39

Flamengo 0X1 Grêmio
24/8/13
Brasileirão 2013 – 16ª rodada
Gol:
No ano: 20V, 10E, 9D; 70 pontos; 59,8%; 58 gols pró, 38 gols contra
Hernane – 18
Renato Abreu – 7
Elias – 6
Marcelo Moreno – 4
Nixon – 4
Cleber Santana – 3
Gabriel – 3
Rafinha – 3
João Paulo – 2
Paulinho – 2
Cáceres – 1
Carlos Eduardo – 1
Chicão – 1
Ibson – 1
Roberto Dias (Campinense) – 1
Rodolfo – 1

Brasileirão 2013: Flamengo X Grêmio – 24/8/13

Fla X GremioJogo duro, difícil. Mas temos que estar preparados para a primeira derrota em Brasília nesse campeonato… Do Grêmio, naturalmente. Flamengo 1 a 0.

Flamengo até morrer!

Scout 2012: jogo 49

Flamengo 1X1 Grêmio
16/9/12
Brasileirão 2012
Gol: Adryan, 16′, 2T.
No ano: 21V, 12E, 16D; 51,0%; 67 gols pró, 57 gols contra
Vagner Love – 21
Ronaldinho Gaúcho – 7
Deivid – 6
Renato Abreu – 5
Kleberson – 4
Léo Moura – 4
Luiz Antônio – 4
Bottinelli – 3
Adryan – 2
Hernane – 2
Jael – 2
Adryan – 1
Airton – 1
David Braz – 1
Camacho – 1
Ibson – 1
Negueba – 1
Ramon – 1
Thiago Medeiros (Madureira) – 1
Whelinton – 1

Brasileirão 2012: Flamengo X Grêmio – 16/9/12

Na torcida, sem muito mimimi. Flamengo 2 a 1.

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 175: Saudades do Profexor!

Tá feia a coisa, hein, Papai?

É de conhecimento geral que sempre achei o jogo contra o Grêmio no chiqueirão olímpico o mais carne de pescoço de todos os 38 do campeonato brasileiro de futebol de pontos corridos. É jogo pra mandar os afastados e a garotada da base, ao menos pra dar uma desculpa do porquê do toco. A gente não consegue ganhar desses buxas na capital norte-uruguaia nem quando eles são a carne assada que pareceram ser ontem. Sim, porque não golear o Flamengo atual entrando com franco favoritismo, e só conseguir marcar por causa de 2 falhas da nossa manca zaga, não é coisa de time de machão.

O time do Flamengo tem exatamente a cara da diretoria atual. Aquilo não é Flamengo, não tem alma, não tem estilo, não tem futebol. É o mesmo que nada. No entanto, consegue perder somente por 2 gols de um time que está no G4, prova maior de que nem tudo é tão ruim que não possa piorar. Estou falando da vergonha suprema de não se criar contra esse bando de candidatos à Segundona que são ao menos uns 15 dos demais competidores. Acho que vai ser a primeira vez na história que nego vai brigar pra cair, e não pra se manter na elite.

Olha, o Papai Joel é um cara bacana, engraçado, frasista e já nos encheu de orgulho, num passado não muito distante. Mas não consegue mais segurar a onda. Não consegue treinar o time e não sabe escalá-lo, nem motivá-lo. Ainda conseguiu dizer que o time vai chegar. Se vai, pelo que eu torço com todas as forças do universo, não deve ser com ele no comando, né? Tá mais do que na hora de sair. Só Deus sabe por quem vai ser substituído, e isso dá um medo ainda maior que sua manutenção. O consolo é que, nessa toada, previsível, apalermado e sem coração como temos nos apresentado, na terceira derrota seguida ele cai. E isso está me parecendo mais próximo a cada jogo, coisa de primeira metade do turno. Meu medo é não dar pra chegar mais na ponta de cima da tabela.

Quanto ao jogo de ontem, um pequeno arrazoado: Negueba não dá. Magal não dá. Renato Canelada não dá. Marlon talvez dê. Matheus Bebeto, não sei não. Love parece ter sido contaminado pela mediocridade reinante, o mesmo podendo ser dito sobre o palestino Ibson. Nosso xerife Gonzalez herdou do Welington a perebice e vive falhando. E o Paulo Victor é o único que vem honrando as vestes. O que é estranho, porque ele é o único que não ostenta a vestimenta futebolística mais linda do mundo.

Passadas as 6 rodadas prometidas pelo nosso inócuo e ultrapassado professor, fica uma pergunta tão sem resposta quanto com resposta: como seria esse time se o Profexor ainda estivesse lá? Vale lembrar que sua saída foi mais uma manobra imbecil dessa presidente e de seus asseclas igualmente fracos. O cara saiu por problema de relacionamento com a estrela da companhia e hoje estamos aí, sem os dois. Menos mal, já que não vejo ninguém sentindo falta do Manezinho Gaúcho, que parece ter virado craque no mais do que nunca Patético Mineiro. Aliás, alguém saberia me dizer porque o número do cara é 49? Porque na galinha mineira ele é 100 (cachaça 51 + R49 = 100)? Só rindo dessa rafameia mal-vestida mesmo…

Bem, temos o lanterna em casa pela frente, time que as moças do Flor meteram (ui!) 4 ontem, lá no Serra Vazia. Se não ganhar, Joel cai. E agora, torço pra quem?

Flamengo até morrer!

Scout 2012: jogo 31

Grêmio 2X0 Flamengo
24/6/12
Brasileirão 2012
Gol:
No ano: 16V, 8E, 7D; 60,2%; 53 gols pró, 32 gols contra
Vagner Love – 15
Ronaldinho Gaúcho – 7
Deivid – 6
Kleberson – 4
Léo Moura – 4
Luiz Antônio – 4
Bottinelli – 3
Jael – 2
Renato Abreu – 2
Adryan – 1
Airton – 1
David Braz – 1
Camacho – 1
Hernane – 1
Negueba – 1
Thiago Medeiros (Madureira) – 1
Whelinton – 1

Brasileirão 2012: Grêmio X Flamengo – 24/6/12

Se tem um jogo que os gênios do planejamento do Flamengo não deveriam nem sequer mandar o time titular é esse, contra a segunda força do futebol do Uruguai do Norte. As lembranças são terríveis, mas não tanto quanto foi pra eles terem aturado um vice brasileiro lá no chiqueiro. Vamos com fé, Flamengo 1 a 0, gol de Love tá bão!

Flamengo até morrer!

Cornetada Vitoriana nº 154: Tsc, tsc

A parada de domingo foi mais pé no saco do que qualquer um poderia imaginar. Perder para o Grêmio no Olívio é daquelas situações que todo Rubro-Negro consciente já espera. Ganhamos naquele chiqueiro somente 2 vezes na vida e perder lá não é a pior coisa do mundo. O problema foi como isso aconteceu. Depois de um primeiro tempo primoroso, demos o mole de sempre, e deixamos o adversário crescer. Pior, ajudamos nisso. A peneira da frente da zaga foi a responsável por 3 gols, no mínimo. Não por culpa exclusiva dos jogadores, mas da alteração do profexor no intervalo. O time ficou defensivo com a saída do jovem Tomás. No papel, já que na prática defesa era o que menos se via ali.

Bom, falamos do mimimi técnico/tático, mas o que fez o Flamengo perder para a segunda força do Uruguai do Norte foi a tal da atitude. Olhando para o time peça por peça, até que não é ruim. É o suficiente, ao menos, pra ocupar a 5ª posição, com viés de alta, já que em terra de cego, tanto bate até que o espeto é de linguiça. Quero dizer que, frente aos irregulares e mesmo fracos adversários, até que a posição é honrosa, longe, claro, do que a história e as glórias flamengas pressupõem. No entanto, falta ao Flamengo v. 2011 sangue nos olhos, faca nos dentes, coração na chuteira. Não sei se isso é característica dos jogadores que lá estão, ou se o técnico não consegue motivá-los, ou se algo estranho ocorre nos bastidores, mas esse time não tem garra, não tem coração, falta vontade de ganhar, de ser melhor que os outros. Imagino que, se jogasse com a raça que mostrou o Corinthians na virada sobre o Avaí, já teríamos sido campeões brasileiros desde a rodada passada. E nem precisaríamos do apito amigo, mão invisível que carrega o time da muito segunda torcida do país.

Honestamente, até acho que temos time e jogadores para alçar vôos mais altos nesse campeonato estranho. Mas acho que não vamos, porque esse time deixou pra trás a centelha da vitória, a vontade de vencer que caracteriza os Flamengos campeões. Mas torcer eu vou, até o fim.

O fato mais intrigante do jogo de domingo, no entanto, ficou por conta dos engraçados ataques de pelanca da torcida esquisitona do lado feioso da ponta sul do país. Poucas vezes na minha vida eu vi tanta besteira, tanta falta do que fazer, tanta intolerância, quanto as imbuídas nas ações desses infelizes em relação ao Ronaldinho Carioca. Desde a ignorância do significado da palavra pilantra, associada a cifrões que, tentei muito, mas não consegui entender, passando por um desespero inexplicável por terem sido preteridos em função do Flamengo, culminando com um desrespeito ao ser humano que, claro, só se pode esperar de uma torcida meio argentina, metida a besta, com ares de superior, que, a mim, só lembra derrota, segunda divisão e violência. Ora, meus caros, quem, no mundo, em sã consciência, iria preferir o esquecimento e o ostracismo associado a jogar no Grêmio, à glória, visibilidade e sucesso garantido proporcionados pelo Flamengo?

Esse movimento todo só teria uma chance de ser algo positivo: se fosse espontâneo. Mas os infelizes torcedores dessa agremiação menor, que é chamada desde todos os tempos pelo nome errado, nem sequer se deram conta de que foram a massa de manobra de uma campanha ilegítima e sem causa. Não sei se pra promover o jogo, pra que alguns publicitários pudessem aparecer ou se para encobrir a incompetência de sua diretoria na não repatriação do maior ídolo de sua história, mas essa parada foi orquestrada, sim, por meia dúzia de bobos-alegres, que não merecem muito mais do meu tempo.

Esse espaço é pra falar do Flamengo e não de outro time ou torcidinha menor. Só pra lembrar, ao final da 32ª rodada em 2009, estávamos a 6 pontos do líder Palmeiras, que nem pra Libertadores foi naquele ano. Pensem nisso!

Flamengo até morrer!